Bolsa Família 2018. Desde tempos antigos, em vários países, a desigualdade social é vista como grande, onde existem pessoas extremamente ricas, ao mesmo tempo em que existem pessoas em situação de pobreza ou até de extrema pobreza.

O Bolsa Familia 2018

BOLSA FAMÍLIA ➜ Cadastro, Calendário, Valor, Saldo e Consulta!!

Por isso, muitos programas sociais já foram criados com o intuito de diminuir essa desigualdade social (Bolsa Escola, Minha Casa Minha Vida, Brasil Carinhoso, etc), oferecendo um auxílio financeiro para famílias em condições mais pobres como se fosse um salário. Um desses programas sociais que foi criado no Brasil com esse objetivo é o “Bolsa Família“.

Você já faz parte do programa de distribuição de renda? Fique de olho no calendário Bolsa Família 2018 e não deixe passar as datas de recebimento do benefício. Não deixe de conferir aqui o calendário com as datas para receber.

Bolsa Família 2018 ➜ Cadastro, Calendário, Valor e Consulta de saldo!

Confira aqui em nosso site, todas as informações que tem que conhecer sobre o programa social do Bolsa Família. Entenda o que é o programa e como surgiu o, quem tem direito ou como consultar o saldo pelo celular entre outros dados de interesse para você. Vamos lá?

O que é e como surgiu o Bolsa Família?

Para que serve o programa bolsa familia

O Bolsa Família é um programa de transferência de renda criado pelo Governo Federal e direcionado para famílias que vivem em situação de miséria, permitindo que possam superar essa condição de vulnerabilidade.

De acordo os números do MDS – Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, o Bolsa Família atende mais de 13 milhões de famílias com uma ajuda de custo que contribui para a renda familiar de quem não mantém emprego fixo e que necessitam sustentar os familiares.

Dessa forma nasceu oPBF na união de outros programas sociais criados a partir do ano 2000, como o Cartão Alimentação, o Bolsa Escola e o Auxílio Gás, entre outros, com o objetivo de organizar os serviços sociais, unificando os serviços e permitindo maior controle sobre as famílias cadastradas.

O programa atende famílias de todos os Estados brasileiros desde 2003, tornando-se Lei Federal, e 2004, unificando e ampliando todos os programas de transferência de renda. Entre eles, foram unificados os seguintes programas:

  • Programa Nacional de Renda Mínima vinculada à Educação, o Bolsa Escola, criado em 2001 durante o Governo Fernando Henrique Cardoso;
  • Cadastramento Único do Governo Federal, também instituído em 2001;
  • Programa Nacional de Renda Mínima vinculada à Saúde, o Bolsa Alimentação, criado em 2001;
  • Programa Auxílio Gás, instituído em 2002, ainda durante o Governo Fernando Henrique Cardoso;
  • Programa Nacional de Acesso à Alimentação, mais conhecido como Fome Zero, criado em 2003, durante o Governo Lula.

O Programa Bolsa Família (PBF) é denominado tecnicamente de mecanismo condicional de transferência de recursos, ou seja, consiste numa ajuda financeira às famílias de baixa renda, considerando aquelas que possuem renda per capita entre 85 e 170 reais e que tenham em sua composição gestantes e crianças ou adolescentes entre zero e 17 anos de idade, que sejam extremamente pobres.

Como contrapartida, as famílias beneficiárias do programa social se comprometem a manter as crianças e adolescentes nas idades determinadas frequentando a escola, fazendo o acompanhamento da saúde de gestantes, de mulheres que estejam amamentando e de crianças, que devem ter sua vacinação em dia.

O objetivo principal do programa é quebrar um ciclo natural de pobreza em curto e longo prazo, utilizando para isso a transferência de renda condicionada ao cumprimento das obrigações.

Programa Bolsa Família: exemplo para o mundo

Os programas de transferência de renda condicionadas contra a pobreza são políticas sociais utilizadas em diversos países do mundo, buscando combater e reduzir as situações de pobreza extrema.

Em curto prazo, esses programas procuram aliviar os problemas de correntes da falta de recursos e, em longo prazo, buscam investir em capital humano, interrompendo o que é conhecido como ciclo intergeracional, ou seja, uma pobreza que passa de geração para geração.

No mundo, a ideia de programas de transferências condicionadas começou a ser divulgada em 1997. Na época, só haviam três países no mundo vivendo essa experiência: o México, Bangladesh e o nosso Brasil.

A partir de 2007, praticamente todos os países da América Latina começaram a ter programas similares, que também foram desenvolvidos depois no Quênia, na Etiópia e na África do Sul, além de outros programas semelhantes na Turquia, no Camboja, no Paquistão e no Sul da Ásia.

Até mesmo em Nova York foram criados programas de transferência de renda condicionadas, como o Opportunity NYC, inspirado no nosso Bolsa Família e no programa mexicano.

O programa norte-americano é também um programa inovador, sendo condicionado, como no Brasil e procurando ajudar nova-iorquinos a romper o ciclo de pobreza, tomando como base os programas bem-sucedidos, como o brasileiro. Além disso, países como Egito, Gana e outros países africanos designaram representantes para conhecer o programa brasileiro.

O Banco Mundial é uma instituição financeira internacional que efetua empréstimos a países em desenvolvimento e tem como missão erradicar a pobreza extrema e de construir uma prosperidade compartilhada. Oferece apoio ao programa, considerando que seja o Bolsa Família uma das melhores maneiras de fazer investimento em capital humano.

Como funcionam programas sociais fora do Brasil?

O Brasil não é o único país a estabelecer ajuda através de programas sociais, embora o PBF tenha sido pioneiro e um exemplo para diversos outros países, como mencionamos.

O Opportunity NYC conta foi um programa criado em 2007 com apoio de várias fundações e instituições financeiras importantes dos Estados Unidos, porém foi encerrado em 2010 por ter sido avaliado com poucos resultados alcançados em relação as famílias atendidas.

Entre os benefícios deste programa, estava a chance das famílias criarem contas bancárias sem tarifas, que não exigir renda nem saldo mínimo, além de ter um incentivo de US$ 50 para os interessados abrirem uma conta, que encorajava a poupança e auxiliava no cadastro de crédito.

Ainda nos Estados Unidos, existe o “child benefit”, para jovem abaixo de 20 anos, onde o governo paga 20 libras por semana para auxiliar o desenvolvimento do jovem. A cada criança na família é pago mais 13 libras por semana.

Outros programas de sucesso por exemplo, acontecem na Inglaterra, onde existem diversas iniciativas para as famílias carentes, como o “Bolsa Funeral”, onde as famílias recebem ajuda para cobrir despesas com velório, cremação, atestado de óbito, compra do caixão, flores e possíveis viagens quando um familiar precisa viajar para  organizar o enterro ; o “Bolsa Aquecimento no Inverno”, onde qualquer idoso do país (mais de 80 anos) podem receber de 100 a 300 libras para ajuda no pagamento do aquecedor e também o “Bolsa Clima Frio”, onde cada inglês pode solicitar auxilio quando, por mais de sete dias, se manter um clima igual ou menor que zero graus.

Bolsa Família: programa recomendado pela ONU

A ONU – Organização das Nações Unidas vem recomendando o Programa Bolsa Família para ser adotado por outros países em desenvolvimento.

Além do reconhecimento internacional, virando exemplo para a criação de outros programas, o Bolsa Família já recebeu diversos prêmios por sua atuação no Brasil, tais como:

  • Award For Outstanding Achievement In Social Security da Associação Internacional de Seguridade Social (ISSA), um prêmio considerado um Oscar das políticas sociais.

No Brasil, o programa repassa às famílias classificadas como pobres (que tenham renda mensal por pessoa entre R$ 85,00 e R$ 170,00), e extremamente pobres (que tenham renda mensal por pessoa até R$ 85,00), benefícios que variam de R$ 39,00 até no máximo de R$ 372,00, dependendo do número de crianças e de adolescentes atendidos e dependendo também do grau de pobreza de cada família.

Recebendo apoio do Banco Mundial, que é subordinado ao Fundo Monetário Internacional, e o Banco Interamericano de Desenvolvimento, o PBF se tornou uma das situações em que um país desenvolvido está aprendendo com experiências dos países em desenvolvimento.

Quem tem direito a receber o Bolsa Família?

Para saber que famílias têm direito ao bolsa família e receber a ajuda mensal é muito importante entender que:

Como dito, as pessoas que estão em situação de pobreza ou extrema pobreza, tem direto ao benefício.

Que famílias são consideradas pobres ou extremadamente pobres?

Uma família que pode ser considerada extremamente pobre, é aquela que possui uma renda mensal abaixo de R$ 85,00 por pessoa. Para saber se uma família se enquadra nesta faixa, é preciso saber quantas pessoas moram na mesma casa, e qual o valor da renda de cada uma delas.

A renda total mensal é dividida pelo número de pessoas na casa, e se o valor resultante, for menor ou igual à R$ 85,00, a família está dentro da faixa de extrema pobreza, e para a faixa de pobreza, o valor deve ser de R$ 85,01 e R$ 170,00 por pessoa.

Você sabia que… 1 de cada 4 brasileiros fazem parte do programa?  

A sua família se enquadra? Então você poderá se cadastrar no programa.

Quais os tipos de Bolsa Família?

Há um único programa Bolsa Família, mas há diversos tipos de benefícios diferentes dentro do PBF. O objetivo de cada um dos tipos é atender a um tipo especifico de família, conforme a necessidade. O valor recebido em cada um pode mudar. O valor é atualizado anualmente.

  1. Benefício Básico, recebido por aquelas famílias que estão em situação de pobreza extrema, que recebem menos que R$ 85,00 mensais per capita – por pessoa. Para receber este benefício não é preciso que a família tenha crianças, adolescentes, jovens ou gestantes em sua composição. O valor pago pelo benefício é de R$ 85,00 mensais.
  2. O segundo tipo é o Benefício Variável, pago às famílias que recebem até R$ 170 per capita. Mas é preciso que haja na família ao menos uma criança, adolescente até 15 anos e/ou gestante. O valor pago pelo benefício vai de R$ 39,00 até o limite de R$ 195,00 por família.
    • Variável de 0 a 15 anos – pago  a aquelas famílias com crianças de zero a 15 anos. O valor pago mensal é de R$ 39,00.
    • Variável à Gestante – BVG, pago em nove parcelas de R$ 39,00. Este benefício só vale se a gestante já fizer parte do Programa Bolsa Família. Ou seja, deve ser de família pobre ou extremamente pobre. E é um adicional ao benefício inicial.
    • Variável Nutriz (BVN) – um benefício pago em seis parcelas de R$ 39,00, para aquelas famílias com crianças de 0 a 6 meses de idade, para famílias pobres ou extremamente pobres.
  3. Benefício Variável Jovem (BVJ)  – este é dado às famílias com pelo menos um adolescente de 16 a 17 anos, R$ 46,00 até o limite de R$ 92,00 (2 benefícios) por família. Além de ser destinado a famílias pobres ou em extrema pobreza, os adolescentes devem estar matriculados em estabelecimentos de ensino, com frequência adequada.
  4. Benefício para Superação da Extrema Pobreza – BSP (Brasil Carinhoso). Este é um acréscimo dado às famílias que já são beneficiárias do PBF, que apesar de receberem outros benefícios do Bolsa Família, ainda estão em situação de pobreza extrema. O valor varia de família a família, sendo calculado dependendo da necessidade.

Qual é o valor do Bolsa Família?

Confira qual é o valor do Bolsa FamiliaO valor é variável, sendo que o benefício básico é o R$85,00. Os outros são pagos como um ‘adicional’, concedido caso a caso, conforme a necessidade familiar. Os valores também possuem um teto, variável. Alguns não podem ultrapassar dois benefícios por família, outros podem somar até cinco benefícios.

Veja a seguir os valores atuais, conforme o Decreto Nº 8.794, De 29 De Junho De 2016, do presidente Michel Temer, que alterou o decreto anterior, o 5.209, de 17 de setembro de 2004, atualizando, e aumentando, os valores pagos por família.

  1. Benefício Básico = R$ 85,00.
  2. Benefício Variável (até cinco por família):
    • Variável Vinculado à Criança ou ao Adolescente de 0 a 15 anos = R$ 39,00.
    • Variável Vinculado à Gestante = R$ 39,00  – durante os nove meses de gestação.
    • Variável Vinculado à Nutriz = R$ 39,00  – de 0 a 6 meses de idade.
  3. Benefício Variável Vinculado ao Adolescente = R$ 46,00 – máximo de 2 por família.
  4. Benefício para Superação da Extrema Pobreza = R$ 85,00  – o valor é calculado caso a caso.

Quantos benefícios pode receber cada família?

É difícil definir quantos benefícios a mesma família pode receber porque vai entrar em jogo muitas variantes que mudam de família a família. Por exemplo:

  • Uma família em situação de extrema pobreza pode juntar os benefícios Básico,Variável e o Variável Jovem, até um máximo de R$ 372,00 mensais, e ainda um benefício para Superação da Extrema Pobreza.
  • Uma família em situação de extrema pobreza que recebe o Beneficio Variável pode juntar até 5 benefícios variáveis por mês, chegando a receber R$ 195,00 mensais.

Como fazer o cadastro no PBF? – Saiba como se inscrever!

Como fazer a inscricao no CadUnicoPara entrar no programa não existe um cadastro que seja especifico para o Bolsa Família, o que existe é uma inscrição ao Cadastro Único (Cadúnico), feito nos Centros de Referência da Assistência Social (CRAS), Prefeitura da sua cidade, ou em algum outro posto de cadastramento.

Durante a inscrição no Cadúnico, o entrevistador verifica as informações fornecidas e faz o cadastramento, indicando se há a possibilidade de participar de algum programa de assistência do Governo Federal.

O Cadastro único ajuda as famílias de baixa renda a ter acesso a todos os outros tipos de programas, não apenas ao Bolsa Família.

Para endereços dos CRAS em todo o Brasil utilize portal do MOPS (Mapa de Oportunidades e Serviços Públicos) – clique aqui para visitar, primeiro selecione um município clicando em Alterar Local e depois clique em Ver mapa do município. É importante resaltar que o sistema responde um pouco devagar pelo que aguarde um pouco até o mapa ser carregado com todos os endereços.

ache o CRAS mais proximo da sua casa

Como se inscrever  –que documentos levar?

É recomendável que um responsável pela família, preferencialmente a mulher, leve os dados (ou cópia dos documentos) de todos os membros da família. É preciso que este responsável seja maior que 16 anos.

Os documentos necessários são:

  • CPF e ou Título de Eleitor do responsável pela unidade familiar.
  • Para os outros membros da familia um dos documentos: Certidão de Nascimento, Certidão de Casamento, oRG, CPF, Título de Eleitor ou Carteira de Trabalho.

Documentos que também são de interesse apresentar no dia da entrevista:

  • Documentos que  comprovem a renda familiar.
  • Comprovante de endereço.
  • Comprovante de Matricula da escola de crianças de 7–17 anos.

A atualização dos dados deve ser feita no máximo a cada dois anos, ou sempre que houver alguma mudança nas informações. (mudou de casa, mais alguém veio morar com a família, nasceu ou morreu alguém, por exemplo)

Como saber se a minha família entra no Programa Bolsa Família?

Fazer o Cadastro Único não garante o recebimento do beneficio. Uma vez que o Ministério do Desenvolvimento Social – MDS e Combate à Fome recebe a documentação é feita a seleção. Por isso, depois de se cadastrar, é possível saber pela internet se o cadastro foi aprovado para algum benefício, basta consultar aqui​ com o Número de Identificação Social (NIS). –

COMO CONSULTAR O NÚMERO DO NIS

Uma vez a inscrição no programa é aprovada as famílias selecionadas recebem em suas casas o Cartão Bolsa Família para fazer o saque do seu beneficio mensal.

Como consultar Bolsa Família?

Fazer a consulta e saber qual é o saldo bolsa é muito simples. Escolha um das formas abaixo:

Consulta usando o Cartão Bolsa Família ou Cartão Cidadão

As consultas podem ser feitas com dois tipos de cartão. O Cartão Bolsa Família, e o Cartão Cidadão, o mesmo usado para sacar FGTS, PIS, Pasep e outros benefícios. Com qualquer um dos dois, basta ir até as agências da Caixa Econômica Federal, ou a um dos Caixas eletrônicos. Se preferir, pode consultar também nas Casas Lotéricas.

Consulte saldo direto pela Conta Corrente

Para quem possui conta no banco Caixa Econômica Federal, é possível consultar se há pagamento do benefício diretamente pela conta. O pagamento pode ser vinculado as contas para beneficiários que sejam também titulares.

Ou seja, se você recebe e tem conta na CAIXA, pode pedir para receber diretamente na conta, e ver nos lançamentos futuros, se há previsão de pagamento conforme o calendário de pagamentos do benefício.

Não é obrigatório ter conta na Caixa Econômica Federal para receber o benefício. E, caso o beneficiário – quem recebe – queira, ele pode também abrir uma poupança tipo “Poupança Caixa Fácil”, e ter os benefícios de ser correntista, sem os custos. É uma conta indicada a quem faz parte de algum programa social.

Consulta direta pelo site do SIBEC – Sistema de Benefícios ao Cidadão

como consultar bolsa familia

Site para consultar Bolsa Família (Foto: Divulgação)

O Site do SIBEC: benefíciossociais.caixa.gov.br; dá a opção de consultar pelo número do NIS se há benefícios a serem sacados, também da para conferir as listas das famílias por município e ainda informa quando serão liberados os próximos pagamentos.

O sistema não é muito bonito, mas é intuitivo, só precisa do número do NIS – que pode ser encontrado no cartão Bolsa Família como o número do benefício, ou no Cartão Cidadão.

Pelo aplicativo Bolsa Família CAIXA

A Caixa disponibiliza o aplicativo para as três plataformas mais conhecidas de smartphones, só é preciso saber qual é o sistema operacional do telefone, baixar e usar. O aplicativo é gratuito e esta disponível para Android, iOS e Windows Phone.

Depois de instalar o aplicativo, é preciso apenas ter o número do benefício em mãos. Ou seja, o número NIS do cartão Bolsa Família, ou Cartão Cidadão. É possível ver o extrato de pagamento e o calendário Bolsa Família pelo aplicativo.

Consulte pelo telefone

Outra opção muito simples para consultar seu saldo é por telefone. É só ligar para o número gratuito 0800-707 2003. Não se esqueça de ter o número do NIS em mãos (O famoso número de 11 digitos do cartão do PBF).

calendário Bolsa Família ajuda ao beneficiado saber quando terá que sacar o seu beneficio.

Consultar as datas de pagamento no calendário é muito simples, você só precisa ver o último número do seu NIS – Número de Inscrição Social que está em seu cartão do Bolsa-Família, agora sabendo o número é só conferir a data no calendário de esse final.

Só a partir dessa data é que o beneficiario vai conseguir sacar o benefício, porque antes de essa data ainda não vai estar disponível o dinheiro para o pagamento.

Calendario programa Bolsa Familia 2018

Calendário do Bolsa Família 2018

Agora que você já conferiu o calendário Bolsa Família 2018, já sabe os dias em que o seu dinheiro estará disponível para saque.

* Pelo momento as datas do calendário 2018 ainda não foram disponibilizadas, por em quanto ainda esta vigente o calendário Bolsa Família 2017. Proximamente será liberado.

ATENÇÃO: É muito importante informar que o dinheiro do beneficio somente irá ficar disponível para saque até 90 dias após a data disponibilizada no calendário. Depois disso o valor será perdido.

Como sacar o Bolsa Família?

Receber o dinheiro é o passo mais fácil. Na data indicada pelo calendário:

  • Ir até uma agência da Caixa Econômica Federal e com o cartão e a senha para fazer o saque.
  • Também em qualquer Casa Lotérica,  Caixa Aqui apresentando o cartão do programa e um documento de identidade.bolsa familia saldo

Bolsa Família bloqueado, suspenso ou cancelado? – Que fazer!

O que fazer quando o bolsa familia e bloqueado suspenso ou canceladoSe houver irregularidades, desatualização no cadastro da família, ou até mesmo se a família sair da faixa de pobreza, o benefício pode ser bloqueado ou cancelado.

Normalmente o dinehiro é bloqueado quando alguma informação fica desatualizada, mas assim que é corrigido, o pagamento volta, sendo possível ainda receber os atrasados.

Quando pode ser bloqueado ou suspenso:

  • Em caso de cadastro antigo, há muito tempo sem atualizar;
  • Quando o beneficiário passa muito tempo sem efetuar o saque;
  • Quando é constatado que adolescentes ou crianças estão sem acompanhamento médico, ou estão faltando às aulas;
  • Quando o recadastramento obrigatório não é feito;
  • Quando a família saiu da faixa de pobreza, por aposentadoria, ou por emprego, por exemplo.

Quando pode ser cancelado:

  • Quando for constatado irregularidade no cadastro;
  • Quando a família não deveria receber e recebeu indevidamente;
  • Quando os beneficiários tiverem falecido;

O que fazer para voltar a receber?

regularizar Bolsa FamiliaDeve se procurar uma unidade do CRAS, ou algum posto de cadastramento da região, levando os documentos que comprovem o direito ao PBF e atualizar os dados cadastrais.

Se houver comprovação de irregularidades, não será possível voltar a receber o benefício. Mas, quando a suspensão ou bloqueio do pagamento foi indevida, o benefício pode ser pago completamente, incluindo os valores atrasados.

Como vimos, este é um programa do Governo que auxiliou e ainda auxilia muitas pessoas a saírem de condições de pobreza e extrema pobreza. Justamente por suas regras, é necessário que as crianças tenham uma frequência escolar, garantindo assim, o acesso a educação, o que lhe dá a chance de sair dessas condições futuramente. Além disso, as famílias inscritas no Cadastro Único também terão acesso a vários outros tipos de benefícios sociais, que não sejam somente o Bolsa Família.

As pessoas que se encaixam nessas condições, devem estar atento e aproveitar essas oportunidades, que auxiliam a ter uma vida melhor e mais digna.

Dúvidas?

Ficou com alguma dúvida ou pergunta sobre o programa de transferência direta de renda para as famílias mais necessitadas do Brasil? Deixe o seu comentário através do formulário de contato logo abaixo ou procure o setor responsável pelo Bolsa Família no Centro de Referência de Assistência Social ou Prefeitura de sua cidade ou ligue para a Central de Atendimento Caixa ao Cidadão no 0800 726 02 07.​

No mais continue navegando pela nossa página e confira todas as informações necessárias para não ficar sem receber seu benefício ao final é seu direito!